Bolsonaro diz em vídeo que teria começado a sentir sintomas ainda no sábado




Presidente foi submetido a um novo teste na segunda (6/7), após apresentar sintomas. Resultado positivo para Covid-19 saiu nesta terça
Diagnosticado com a Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) postou um vídeo em sua conta no Facebook, na tarde desta terça-feira (7/7), para dizer que está tomando a terceira dose de hidroxicloroquina.
Na gravação, Bolsonaro relatou que está se sentindo “muito melhor do que sábado”, dois dias antes de ter revelado que sentia sintomas e de ter se submetido a uma nova testagem para verificar se havia contraído o novo coronavírus. Apesar da declaração, o presidente não informou o momento em que começou a se sentir mal.
Na manhã de sábado (4/7), Bolsonaro deixou Brasília para viajar a Santa Catarina. Na ocasião, ele sobrevoou as áreas atingidas pelo ciclone bomba e depois cumprimentou apoiadores.
Mais tarde, ainda no sábado, Bolsonaro almoçou com ministros em evento em comemoração ao aniversário de independência dos Estados Unidos, na casa do próprio embaixador Todd Champan, no Lago Sul.
Bolsonaro havia acabado de chegar de Florianópolis, onde fora para ver os estragos causados pelo ciclone-bomba no estado e depois cumprimentou apoiadores. Estiveram presentes no evento, além de Bolsonaro, Lorenzo Harris, adido de Defesa dos EUA; o general Luiz Eduardo Ramos, ministro da Secretaria de Governo; Fernando Azevedo e Silva, ministro da Defesa; Ernesto Araújo, ministro das Relações Exteriores; general Braga Netto, ministro-chefe da Casa Civil; e Flávio Rocha, secretário especial de Assuntos Estratégicos, além do deputado federal Eduardo Bolsonaro, um dos filhos do presidente.
“Estou tomando aqui a terceira dose da hidroxicloroquina. Tô me sentido muito bem. Tava mais ou menos no domingo, mal na segunda-feira. Hoje, terça, to muito melhor do que sábado. Então é com toda certeza, né? Tá dando certo”, disse o presidente que, em seguida, toma um comprimido do remédio.
Na gravação, ele ainda ressalta que sabe que a hidroxicloroquina não tem eficácia comprovada contra a Covid-19, mas que “confia” na substância.
“Sabemos que hoje em dia existem outros remédios aí que podem ajudar a combater o coronavírus, sabemos que nenhum tem a sua eficácia cientificamente comprovada, mas mais uma pessoa que tá dando certo. Então, eu confio na hidroxicloroquina, e você?”, acrescentou.
Exame
O presidente Jair Bolsonaro anunciou no início da tarde desta terça que seu exame para verificar se contraiu a Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, deu positivo.
Veja o exame, feito por uma unidade do laboratório Sabin, em Brasília, aqui.
Este foi o quarto exame do chefe do Executivo para verificar se está com a doença — os outros três haviam dado negativo.
A diferença desse dos demais é que, no exame divulgado nesta terça, consta o nome do próprio presidente Bolsonaro. Nas ocasiões passadas, quando submetido aos exames, Bolsonaro optou por omitir o nome para, segundo ele, preservar sua identidade e segurança.
O Metrópoles questionou a Secretaria de Comunicação da Presidência da República sobre a mudança no protocolo e aguarda resposta.
Agenda presidencial
Com o diagnóstico positivo, o presidente Jair Bolsonaro passa a despachar diretamente do Palácio da Alvorada até que esteja apto para retornar ao Palácio do Planalto.
Para esta semana, duas viagens presidenciais estavam previstas. Com o resultado positivo, Bolsonaro cancelou visitas à Bahia e a Minas Gerais. No Alvorada, ele ainda deve receber auxiliares para assinar alguns despachos.
A previsão é de que o presidente faça um novo teste no início da próxima semana para verificar se criou anticorpos contra a Covid-19 e se está livre da doença.
Ao anunciar que havia contraído o novo coronavírus, o presidente afirmou que chegou a ter febre de 38ºC, mas que a temperatura começou a ceder ainda nessa segunda-feira (6/7). Ele também relatou ter sentido mal-estar e cansaço, mas que agora está se sentindo “perfeitamente bem”.
O presidente ainda afirmou ter tomado hidroxicloroquina, apesar de não existir comprovação científica da eficácia da substância para o novo coronavírus.
Bolsonaro tem 65 anos e faz parte da faixa etária considerada por especialistas como grupo de risco da Covid-19.
Sintomas no dia anterior
Nessa segunda-feira, Bolsonaro deixou o Palácio do Planalto no fim da tarde, às 17h42, e chegou ao Palácio da Alvorada por volta das 18h25. O trajeto entre os dois pontos costuma levar entre 5 e 10 minutos. Nesse intervalo, foi ao Hospital das Forças Armadas (HFA) para testar se contraiu o vírus.
Ao chegar ao Alvorada, Bolsonaro disse a apoiadores que teria de manter distanciamento social e que estava “evitando” contato, pois havia acabado de voltar do hospital.
“Tô evitando [contato], que eu vim do hospital agora. Fiz uma chapa [raio-X] no pulmão, tá limpo. Fui fazer o exame da Covid agora há pouco, mas tá tudo bem”, disse.
De acordo com a agenda presidencial, Bolsonaro se encontrou com pelo menos seis ministros de seu governo na segunda. Foram eles: os ministros Paulo Guedes (Economia), Braga Netto (Casa Civil), Jorge Oliveira (Secretaria-Geral), Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e José Levi Mello (Advocacia-Geral da União).
Além disso, o presidente recebeu, em seu gabinete no Palácio do Planalto, o presidente do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), Marcos Heleno Guerson de Oliveira Junior, o vice-presidente da NTC&Logística, Roberto Mira, e o secretário especial da Cultura, Mário Frias.
Bolsonaro já fez outros três testes para detecção do coronavírus e chamou o vírus de “gripezinha”.
Em maio, o jornal “O Estado de S. Paulo” entrou com uma ação na Justiça para ter acesso aos exames do presidente. O governo entregou ao Supremo Tribunal Federal (STF) laudos dos três exames, todos com resultado negativo.

Postar um comentário

0 Comentários